Intenções do Papa – FEVEREIRO 2018



27 novembro, 2015


?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

 

 

Das palavras mais duras que temos ouvido por parte do Papa Francisco, uma parte significativa refere-se ao tema da corrupção. Não apenas a corrupção no âmbito da política, mas também nos outros setores da atividade humana, por exemplo, o âmbito económico, empresarial e também o âmbito religioso. Na lógica do Evangelho, temos que ter como ponto claro de partida que o verdadeiro poder é o serviço e nunca o aproveitar-se de uma situação de superioridade em relação a outros para usar isso em proveito próprio ou de um grupo, prejudicando aqueles que seriam os principais destinatários da ação de quem compete governar e tomar decisões. O problema torna-se mais grave ainda quando a corrupção tem como consequência a falta de atenção ou o prejuízo direto daqueles que estão em situação de vulnerabilidade, que não se conseguem fazer representar junto de instâncias próprias ou que não têm voz nem expressão na praça pública. A corrupção é um mal que toca a todos. O rosto mais visível e público são as instâncias de governo, seja de países, seja de instituições. Mas, neste mês, também somos convidados a refletir nos dinamismos que levam à corrupção nas nossas pequenas ou grandes opções. Por exemplo, na transparência fiscal, no cumprimento das obrigações como cidadãos, no calar-se e consentir situações de injustiça que prejudicam outros. Podemos pensar que são coisas tão pequenas que não fazem diferença. E fazemos, tantas vezes, esta pergunta tão perigosa: «Qual é o mal de fazer isto, ou desta forma?» A pergunta certa não seria, antes, esta: «Qual é o bem?» Se não há bem naquilo que fazemos, teremos de rever se estamos no que a verdade e a honestidade nos pedem.

Intenção

Universal: Não à corrupção Para que aqueles que têm poder material, político ou espiritual não se deixem dominar pela corrupção.

Oração

Pai bom, Tu és a fonte de toda a verdade. O teu Filho Jesus veio mostrar-nos que o verdadeiro poder é o serviço, humilde e desinteressado, pondo a render os próprios talentos em favor dos outros. Este mês, quero pedir-Te que envies o teu Espírito Santo sobre todos os que têm responsabilidades de governo na sociedade, nas instituições, na Igreja, para que, a exemplo de Jesus, vivam a sua missão com liberdade e verdade, longe de toda a corrupção, e protejam sempre os mais frágeis. Pai Nosso…

Desafios

- Na certeza de que a graça de Deus toca os corações que se voltam para Ele, rezar, individualmente ou em grupo, por todos os que têm poder civil, político ou religioso, para que não se deixem dominar pela corrupção. – Fazer um exame de consciência sobre a minha transparência e responsabilidade como cidadão do meu país. Tenho consciência de que há um bem social do qual também sou responsável? – No mundo das minhas relações, aproveito-me de alguma situação de superioridade em proveito próprio, ou vivo o poder que me foi dado, como pai, superior, patrão, para servir aqueles que me são confiados, buscando, acima de tudo, o seu bem?

Passo a Rezar

 

  • Twitter
  • del.icio.us
  • Digg
  • Facebook
  • Technorati
  • Reddit
  • Yahoo Buzz
  • StumbleUpon

Deixe um comentário